11.7.19

Histórias da Lista Vermelha: Rhaponticum exaltatum


Rhaponticum exaltatum (Cutanda ex Willk.) Greuter (= Leuzea rhaponticoides Graells)


Pinhas na extremidade de hastes longuíssimas, que não são pinhas mas sim invólucros para flores que esperam pelo Verão para se mostrarem durante uma breve semana, confiando que os polinizadores não faltem à chamada: eis uma possível descrição desta misteriosa asterácea com folhas que lembram vagamente as do rabanete, moradora de plantações florestais e de bosques de carvalho-negral a norte de Bragança. As brácteas involucrais douradas, imbricadas como as telhas de uma casa, denunciam o parentesco com duas outras compostas de floração também efémera: a Leuzea conifera (= Rhaponticum coniferum), habitante de substratos calcários secos, presente no Algarve, no Centro-Oeste e em três ou quatro lugares de Trás-os-Montes; e a Leuzea longifolia (= Rhaponticum longifolium), endémica do litoral português que surge (muito raramente) em solos húmidos siliciosos ou arenosos.

Apesar de ser mais bonito e mais fácil de pronunciar, o nome genérico Leuzea foi, por força dos estudos filogenéticos, substituído por Rhaponticum. Esses estudos ditaram a fusão dos dois géneros; e, por prevalecer o critério da antiguidade, foi conservado o nome Rhaponticum e descartado o de Leuzea. Talvez a culpa de toda esta instabilidade nomenclatural se deva a Shakespeare e à famosa citação A rose by any other name would smell as sweet. Por muito arrevesados que sejam os nomes que lhes dêem, as plantas nunca deixarão de ser o que são.

O Rhaponticum exaltatum, com os 140 cm de altura que por vezes atinge, é o mais avantajado entre os seus congéneres portugueses, como aliás parece proclamar o seu orgulho epíteto específico. É também o mais raro. Em 1889, Joaquim de Mariz, botânico da Universidade de Coimbra, reportou a sua existência nas cercanias de Vimioso, em Trás-os-Montes, nos seguintes termos: «Nos terrenos incultos dos outeiros e por entre as azinheiras e outros arbustos crescem plantas muito apreciáveis, tais como o Lilium martagon, o Orobus niger, o Lathyrus latifolius, uma variedade da Armeria allioides, o Geranium sanguineum, a Inula salicina e a Leuzea rhaponticoides, espécie insigne e nova para a flora portuguesa.» (Uma excursão botânica em Trás-os-Montes, Boletim da Sociedade Broteriana, vol. VII, 1889, pp 3-34). A planta voltou a ser colhida na mesma localidade pelo Padre Miranda Lopes (1872-1942), mas desde essa época nunca mais lá foi vista. Nos anos 90 do século passado, Carlos Aguiar reencontrou-a perto de Rio de Onor, e hoje em dia, no nosso país, ela parece estar confinada ao limite nordeste do Parque Natural de Montesinho. No resto da Península Ibérica (e da Europa), a espécie é apenas conhecida na serra de Gredos, onde aliás é bem mais numerosa. Sabe-se ainda que ocorre em Marrocos.

Além das plausíveis ameaças que afectam uma população escassa, como a herbivoria ou, no outro prato da balança, o adensamento da vegetação arbustiva, o Rhaponticum exaltatum sofre, no nosso país, de óbvias dificuldades de reprodução. Vimos, em vários pontos separados por um ou dois quilómetros, largas dezenas de plantas só com folhas basais. Plantas com haste floral só avistámos cinco, muito distanciadas umas das outras. Mesmo que a planta pratique a autogamia, tão débil estratégia reprodutiva mais parece um suicídio a prazo. Oxalá este tenha sido um mau ano, e em anos mais favoráveis a percentagem de indivíduos em flor seja mais razoável. Em qualquer caso, é inteiramente apropriado que, na Lista Vermelha da Flora de Portugal, o Rhaponticum exaltatum tenha sido considerado Em Perigo Crítico.

1 comentário :

Cláudia Ribau disse...

Cheguei aqui, depois de procurar por árvores monumentais e estou maravilhada com o que tenho para aprender. Grata por tanta informação!!
Cláudia