31.7.05

"Arde o fogo segundo a lenha do bosque"

.
Todos os anos a mesma tragédia! (Ler o que aqui se escreveu há um ano.)

No entanto, apesar de ser verdade o que diz o provérbio, também cada vez é mais evidente o papel dos incendiários (e da sua impunidade) nesta tragédia! Segundo uma notícia do dia 23 sobre a "encarceração" de um "presumível autor de fogo na Reserva da Arrábida" o número de detidos por fogo posto (60) é bem superior ao avançado (32) pela notícia de que se transcreve abaixo algumas linhas. E ontem, num noticiário qualquer, ouvi que a maior parte dos detidos eram penalizados (quando o eram) de um modo irrisório!

«Portugal é, de longe, o país da Europa onde se regista o maior número de incêndios em relação à superfície florestal (...)
O número de incêndios florestais contabilizados este ano quase duplicou, face à média dos últimos quatro anos.(...)
Segundo dados da DGRF, o uso do fogo foi responsável por 36 por cento dos fogos florestais de 2004. As causas acidentais explicam 15 por cento dos incêndios do ano passado. A negligência foi, assim, responsável por 51 por cento dos fogos. As causas naturais e as estruturais justificam seis por cento do total. O "incendiarismo" é a causa de 43 por cento dos fogos. Até 28 de Julho, a Polícia Judiciária deteve 32 suspeitos de atearem incêndios.» (reportagem na edição impressa do Público)

3 comentários :

Afonso Henriques disse...

Os incendiários são uma parte do problema. A negligência das matas é outra. A deficiente capacidade de detecção dos incêndios no seu início, a lenta resposta que lhes é dada, envolvendo um amadorismo pungente, uma descoordenação total, um desperdício de recursos e o total desprezo pela integridade física dos combatentes da linha da frente, os bombeiros, constitui a terceira e grande responsável pelos milhares de hectares de área ardida todos os anos em Portugal.
Há mais de 12 anos que o problema dos incêndios está resolvido na Andaluzia. Com ou sem incendiários.

manueladlramos disse...

Esse aspecto que foca é muito importante. Ainda não há muito alguém o referiu de um modo bastante bem fundamentado na Ambio (A Lista Portuguesa de Ambiente.

Ponto Verde disse...

O Comentário do "Fundador" é verdade, mas há a somar outros ingredientes...Quando ocorre um crime aprendemos pela literatua policial que há um autor e um móbil, tirando os inimputáveis no caso dos autores e os acidaentes no caso dos casos sem culpado resta-nos , porque na maioria dos casos ou estamos perante fogo posto ou fenómeno natural (trovoadas),sobrenatural que não é aqui o lugar para tratar... e então temos culpado pela certa... Tirando desses culpados os incendiários tontinhos!!! Temos ainda os outros, os que os próprios ou pagos por outros beneficiam directamente com o fogo... e o bebeficio pode ser da parte dos madeireiros (cada vez menos falados, como a criação de parques de madeira queimada...) e os que pelo lado da construção destroem sistemáticamente zonas sob protecção ambiental para construirem.

Já que se fala de Espanha, Espanha decretou este ano uma lei que interdita pura e simplesmente a construção por um periodo de 25 anos da àrea ardida...Portugal tinha uma lei semelhante que entretanto foi revogada... e a que protege os montados de sobro e azinho...parece inoperante !!!

Este ano não vi prenderem um construtor civil ou madeireiro... só tontinhos!!! e desempregados como no caso da Arrábida, mas não dá para ir mais fundo nesta questão???