24.7.05

Lagunaria patersonii


Fotos: mdlramos/pva - Lagunaria patersonii no Parque de S. Roque e no jardim da CCRN, Porto

«Consegui há dous annos obter de sementeira uma d'estas arvores indigenas de New-South Wales e Queensland, na Austrália, interessantes principalmente por serem próprias para plantações à beira-mar. Segundo o catálogo dos snrs. Anderson & Cª. esta pequena arvore é uma das que melhor supporta as brizas do mar as quaes parece mesmo procurar, inclinando-se para o lado do mar, em vez de o fazer para o lado opposto como acontece com a maioria das outras arvores. Diz o snr. J. Maiden, de Sidney, que a altura da Lagunaria patersonii varia entre 12 a 18 metros com um diâmetro de 45 a 80 centímetros. A madeira é branca com veia fina, é facilmente trabalhada e emprega-se na Australia na construção de casas. Da casca, por meio da maceração, extrahe-se uma fibra fina e muito bonita. O snr. Charles Naudin, director do Jardim Botânico e de acclimação de Villa Thuret Antibes, escreve-me que esta espécie dá uma bonita arvore perfeitamente adaptável ao Sul de França, produzindo alli flores parecidas com as do Hibiscus.

A planta que eu tenho soffreu muito com os frios no inverno de 1888, perdendo bastantes folhas, mas quando veio o tempo quente, na primavera, deitou novos rebentos e reviveu completamente. Em dezembro do anno passado quando o frio apertou tornaram-lhe primeiro a murchar e depois a seccar completamente quasi todas as folhas. Quem a vir agora julga-a condemnada, mas depois de se saber como ella reverdeceu no fim do inverno de 1888 tem motivo de esperar que ella este anno faça outro tanto. Parece fora de duvida porém que para o clima do norte de Portugal é um pouco delicada, soffrendo muito com as geadas. É portanto mais própria para o clima de Lisboa e Sul de Portugal. Tem sido introduzida com bom êxito em Adelaide South Australia, localidade onde o clima é bastante parecido com o do Sul de Portugal. Temos entre nós verdadeiramente próprias para plantar à beira-mar muito poucas plantas além do Myoporum, Tramagueira e do Pinheiro bravo; a introducção de uma outra arvore própria para tal fim não deixará de ser vantajosa.

A Lagunaria tem um bello porte e folhagem lindíssima. A cor das folhas é glauca como a da maior parte das plantas da beira-mar e nisso differe muito da folhagem do Myoporum que é verde escura e luzidia. Estou tentanto a reproducção da Lagunaria por estaca e a avaliar pelo estado actual das estacas parece-me que o conseguirei.»

Guilherme C. Tait, Jornal de Horticultura Prática, 1890

3 comentários :

Luis Lopes disse...

Caros Amigos,
antes de mais, os meus sinceros parabéns pelo vosso/nosso blog, pelo nome escolhido e pelo conteúdo.
Agradecia que me ajudassem na escolha de 4 árvores que gostaria de plantar num espaço onde é possivel plantar árvores de grande porte, zona muito húmida no inverno e ventosa.
Pensei no Jacarandá, qual a vossa opinião?

Alexandre Leite disse...

Para ser mais correcto era preciso saber também onde vão ficar as árvores. Que zona do país. E em que situação: perto de casas, espaço virado a norte? a sul? Muitas outras questões ajudam a fazer a melhor escolha. Outra coisa importante é o gosto pessoal!
Algumas das questões que seria interessante responder podem ser vistas em http://hort.ifas.ufl.edu/woody/planting/siteevaluation.htm

Manuela D.L.Ramos disse...

Encontrado no Blog de Cheiros: Homenagem viva