9.1.07

Camélias nos jardins do Palácio



Desde a sua inauguração na década de 1860, os jardins do Palácio de Cristal têm sido o melhor mostruário da tradição portuense no cultivo da camélia. Além das veneráveis japoneiras que ladeiam o jardim de entrada, existem muitas outras, algumas plantadas em anos recentes, espalhadas por todo o recinto. Mesmo se nos limitarmos a seguir o gradeamento que confina com a rua D. Manuel II, encontramos camélias singelas, dobradas, rosas, brancas, vermelhas, raiadas - numa profusão de cores e formas em todas as combinações imagináveis. Uma das camélias desse alinhamento, a terceira no painel em cima, é das mais bonitas que conheço: parece-me ser uma "Carlotta Papudoff", variedade italiana criada em 1851. A flor na primeira foto, de uma japoneira de floração tardia existente junto ao portão principal, é de identificação mais problemática, embora tenha, de comum com a japonesa "Orandakô", as pétalas bissectadas longitudinalmente por sulcos brancos. Da segunda flor não arrisco qualquer identificação.

É sempre bom nestes dias de Inverno ir ao Palácio admirar camélias. O que já não é bom é ter o sossego do jardim perturbado pela estridência musicante da gigantesca tenda onde, durante um mês inteiro, a Câmara instalou ou deixou instalar um sucedâneo da feira popular de má memória. A tenda é desmontada no final desta semana, e oxalá tal poluição visual e sonora não regresse em anos futuros ao mais valioso jardim público do Porto.

4 comentários :

SCS disse...

Esta é uma das razões pelas quais me viciei a aqui vir.
Fazem parte, de resto, das minhas passeatas pela Cidade.
Sejam elas pelos pés, ou pelas mãos.

Obrigada pelo post às Camélias do Palácio.
É sempre surpreendente cruzar-me com alguém que olha para lugares que também eu olho.
'Sinto que pertenço.'

Jamais deixarei de ter prazer em visitar-vos!

Continuação de bom serão.
Vira Vento.

Flor disse...

É sempre bom vir ver o que há no teu blog...
Sempre um encantamento pelas belas postagens.


Admiro camélias, mas aqui no Brasil, quase não as vejo.

Quando criança tínhamos uma em nosso jardim, mas mudamos de casa e de cidade, nunca mais a vi...

Alexandre disse...

Adquiri uma propriedade em Ribeira de Pena, possuo desde então uma Japoneira com 14 m de largura... É divina!! Dizem-me que será uma das maiores Japoneiras de Portugal senão a maior como poderei saber isso??

938190908
Alexandre Sousa

Paulo Araújo disse...

Com essas medidas, é de facto das maiores do país. Há tempos escrevi no blogue sobre uma japoneira monumental, e na mesma altura referi outras de porte notável: pode ler esse texto aqui.