12.2.10

Erva-de-ouro


Asplenium ceterach L. [sinónimo: Ceterach officinarum DC.]

As flores atraem não só insectos como fotógrafos - mas, se o fotógrafo insiste em visitar os espaços naturais mesmo quando as flores escasseiam, por alguma outra coisa se há-de ele interessar. E por que não pelos fetos? Essas plantas discretas, ditas primitivas, dispensam a cooperação dos insectos na sua propagação, e por isso flores não é com elas. Em contrapartida, não se fazem rogadas em aparecer: indiferentes ou quase à sucessão das estações, mostram o que têm para mostrar durante o ano inteiro.

Os fetos têm um método de reprodução que é um modelo de castidade. Não que se trate de reprodução assexuada. O que se passa é que a planta adulta delega a parte promíscua do processo numa plantícula (o gametófito) que morre depois de consumada a fecundação. No verso das folhas (ou frondes) da maioria dos fetos encontram-se, isolados ou em grupos, os esporângios, minúsculas cápsulas que contêm grande número de esporos. Os esporos, expelidos pelo feto adulto e disseminados pelo vento ou pela água, podem ficar dormentes durante um longo período. Só na presença da humidade é que germinam, dando origem aos tais gametófitos a quem cabe o acto vergonhoso. A humidade é necessária porque os anterozóides fecundantes produzidos pelo gametófito deslocam-se na água até aos orifícios (arquegónios) onde se escondem os óvulos.

(Não vá este arranjo nupcial sair furado, muitos fetos têm ainda a opção de se reproduzirem vegetativamente, quer através de rizomas, quer largando plantinhas embrionárias que se formam na extremidade das frondes.)

Um dos fetos mais bonitos da nossa flora espontânea, com as suas frondes pinadas de margens redondas e prateadas, é a erva-de-ouro ou douradinha. Está presente em rochas e muros de norte a sul do país, mas - talvez para não gastar beleza à toa - não parece ser nada abundante.

2 comentários :

Maria da Luz Borges disse...

Também é conhecida por "douradinha", não é?
Luz

Maria da Luz Borges disse...

Acabei de ler o post e descobri a resoposta para a minha pergunta.
Ainda bem que li tudo, senão por aí descobriam que eu às vezes faço um bocadito de "batota"...
Luz