20.5.10

Orquídea sulfurosa


Dactylorhiza sulphurea (Link) Franco

Há uns anos, numa feira de minerais que se realiza anualmente na Universidade do Porto, comprámos um cristal de enxofre. A pedra é de um amarelo pálido como o desta orquídea, e não tem o odor desagradável característico de alguns compostos de enxofre - tão acre que o inferno se apropriou dele. Por cá, o enxofre também tem utilidade, sobretudo depois que Charles Goodyear (1800-1860) notou que, se a borracha (na altura retirada da Hevea brasiliensis) for cozinhada com enxofre, ela adquire maior durabilidade e resistência, e permanece elástica sob temperaturas mais extremas.

Este elemento químico é abundante em minerais, lavas e fumarolas vulcânicas

[neste momento, um dos leitores lamenta irritado a vulcanização do espaço aéreo]

formando com frequência moléculas em forma de anel. Contudo, é só na literatura - pelo menos em The Brimstone Wedding, de Barbara Vine - que se fala de bodas de enxofre, comemoração dos 13 anos de matrimónio.

[neste momento, ouvem-se vivas de muitos leitores ébrios]

As bodas oficiais, de nomes solenes ou perolados, festejam apenas períodos de casamento múltiplos de cinco. Mas esta orquídea é muito rara, restringindo-se a prados ensombrados, soutos e carvalhais antigos, que também escasseiam; por isso, desrespeitaremos a tradição e se, daqui a um ano, a reencontrarmos, saudá-la-emos com umas bodas de rocio.

2 comentários :

Maria da Luz Borges disse...

Mas elas são tantas! E eu que pensava que não tínhamos orquideas a não ser em vasos...
Linda, esta!
Luz

Maria Carvalho disse...

Há cerca de 60 espécies de orquídeas silvestres em Portugal (não contando com os híbridos); temos ainda muitas fotos para lhe mostrar. Haja tempo.