3.1.05

Corísia amarela


Fotos: Galinhola 0411 - Cascais - Chorisia (Ceiba) insignis

A mesma repórter que noticiou a floração da corísia no Jardim das Amoreiras foi até Cascais e de lá nos trouxe em exclusivo a árvore da manchette de hoje. Na verdade a notícia já estava para sair há uns tempos, mas razões editoriais ponderosas (como sejam a preguiça dos editores e as obrigações da quadra festiva) foram adiando a publicação. Felizmente no nosso nicho de mercado a concorrência é pouca; e, mesmo com o atraso, ainda é privilégio nosso dar a notícia em primeira mão.

E a notícia é esta: em Cascais, perto do Teatro Gil Vicente, há um conjunto de corísias de flor amarela (cujo nome científico é Ceiba insignis ou Chorisia insignis) que frutificaram. Não conhecemos outro local do país onde haja tais árvores, pois as que existem do mesmo género nas Amoreiras e nalguns outros jardins são C. speciosas, que têm flores cor-de-rosa.

Voltaremos ao assunto quando recebermos uma semente (já encomendada).

15 comentários :

Anita na Internet disse...

Avanço ainda em primeira mão que se prepara para amanhã mais uma incursão ao local com o objectiivo de verificar se as benditas árvores ainda não se dignaram deixar tombar um dos frutos, que muito gostaria de dissecar. Manter-vos-ei informados. Roger, over and out. E bom ano!

Paulo Araújo disse...

Ficamos ansiosos à espera: vai ser um grande furo jornalístico! E, se além de haver sementes no chão, elas depois germinarem? Tentei há tempos com sementes de jacarandá e tenho agora dois jacarandazinhos já espigadotes a crescer no escritório.

manueladlramos disse...

Eu cá tenho um loureiro(zinho) na varanda... Sinto a chamada alegria dos arboricultores de trazer por casa ;-D

Anita na Internet disse...

Olá. Missão não cumprida... os frutos estão muito altos, e os que provavelmente caíram devem ter sido levados pelos senhores da limpeza das ruas. Mas irei voltar, irei, munida de apetrechos que permitam impunemente roubar um ou dois frutos que estão mesmo com ar de quem não tarda vai cair. Entretanto, há uns tufozitos parecidos com sumaúma em um ou outro ramo, mas não percebi se aparecem após a flor ou após o fruto (sou um repórter ignorante, basicamente :). Depois direi mais coisas. Isso dos jacarandás funciona? é preciso algum cuidado especial? apanhei uma daquelas 'coisas' que tem semente, mas ainda não experimentei.

Anónimo disse...

Este serviço noticioso está cada vez melhor. :)
Alguém definiu um dia a literatura como "news that stays news". De certa forma, as árvores são também "news that stays news". Cá ficarei à espera de mais notícias! ;o)))
DK

Paulo Araújo disse...

É preciso pôr Cascais de alerta: frutos de uma árvore tão rara como essas corísias não são lixo! Quanto ao jacarandá: abri uma dessas castanholas (nome vulgar do fruto) e enterrei três sementinhas nesse substracto que se vende em supermercados; os únicos cuidados que tive foram humedecer a terra e deixar o vaso ao sol (mas em lugar abrigado, dentro de casa). Germinaram as três - embora, por causa de um acidente, só duas plantas tenham sobrevivido. A probabilidade de germinação das sementes de jacarandá é pois muito grande.

Francisco disse...

Agradeço ao JPP a referência ao "Dias com Árvores". Enquanto me dedico a ler o que está para trás, duas notas: a primeira é uma candidatura ... às sobras de uma semente de Corísia de flor amarela; a segunda é sobre as sementes de jacarandá. A "terra de supermercado" parece funcionar bem no primeiro ano. Depois, talvez por a terra ser demasiado solta, a planta que germinou, atrofia-se. Resulta - fiz algumas experiências - passar no segundo ano para um vaso com "terra de campo".

Ventura disse...

Bem, já estão nos meus favoritos. Sempre achei e acho que a grande maioria dos portugueses, na qual me incluo, são completamente ignorantes no que diz respeito a árvores, e botânica em geral. E, no entanto, as plantas vão estando praticamente por todo o lado, moldando o espaço e a vida. Agora vou procurar esse livro que traz na capa umas árvores intrigantes, que bem conheço, de vista.

Paulo Araújo disse...

Caro Ventura: Obrigado pela visita e pelo comentário. Além de autores, somos também distribuidores, e por isso lhe posso dar a lista actualizada dos locais onde o nosso livro se encontra à venda (todos no Porto ou arredores):

Livraria do Museu de Serralves;
Livraria Nova Fronteira (av. Boavista, Centro Comercial Brasília);
Livraria Latina (rua de Santa Catarina);
Livraria Lello (rua das Carmelitas);
Livraria Leitura (rua de Ceuta, Edifícios do Lago e Cooperativa Árvore);
Parque Biológico de Gaia;
Porto Editora (rua da Fábrica);
Livraria UNICEPE (Praça Carlos Alberto);
Livraria da Escola Superior de Biotecnologia, U.C.P.;
Livraria Telos (rua de Santa Catarina)
Livraria da Faculdade de Letras, U.P.;
Livraria de António Oliveira (Parque Itália, rua de Júlio Dinis).

Anita na Internet disse...

Olá, mais que restos, tinha em mente enviar-vos um fruto inteiro :) Depois vemos isso melhor. Estou a tentar convencer as minhas gatas a subirem à árvore para ir buscar o material, mas elas exigem 12 meses de peixe todos os dias e poder dormir na minha cama... Vou ter de ser mesmo eu a tratar do assunto.

manueladlramos disse...

Com aqueles picos todos no tronco...hum 'nom sará fácel'!

Anita na Internet disse...

Já tenho o produto. Escuto :)

Anita na Internet disse...

Já agora, a localização mais precisa das árvores, para quem quiser ir ver: largo Dr. Passos Vella, que fica nas traseiras da igreja dos Navegantes, na parte velha da vila. O largo tem seis destas árvores, das quais as duas que ficam encostadas às traseiras da igreja são as mais altas e mais frondosas. Mais ao lado há outras árvores, a ladear a estátua (que suponho ser do tal Dr. Passos Vella). Infelizmente, o largo está quase todo ocupado por lugares de estacionamento. Já tive a sorte de passar por lá num dia em que não havia carros e achei que era um sítio onde gostaria de viver. Mais agora que sei da floração das corísias.

Paulo Araújo disse...

Ana, muito obrigado pela sua mais que preciosa colaboração. Já lhe escrevi para combinar o envio dos frutos; depois é só esperar que as corísias amarelas se multipliquem. Numa página neo-zelandesa que a Manuela descobriu, explicava-se que as corísias não se auto-polinizam, e por isso só frutificam se no mesmo local existir mais do que uma árvore. Daí que a corísia cor-de-rosa das Virtudes, no Porto, nunca vá ter descendência.

Anónimo disse...

Sobre a germinação de JAcarandá posso dizer que em Fevereiro deste ano semei algumas sementes que colhi em Lisboa-sapadores e tenho neste momento três já com um palmo de altura. Utilizei terra de compra (sementeira e envasamento) e semei numa pequena caixa de marmelada (RRR). As sementes foram colhidas num Jacarandá dos Sapadores mais ou menos por esta altura. Lembro que os mesmos estão agora a largar as tais "Castanholas". Tenho algumas centenas de sementes que irei guardar para tentar novamente lá para Janeiro Fevereiro de proximo ano.Ah! é verdade. foram semeados na zona centro do País. Fico desde já disponivel para enviar sementes a quem solicitar.