7.10.09

Tanta água, Jacinto


Eichhornia crassipes (Mart.) Solms - Pateira de Fermentelos, Setembro de 2009

A Pateira de Fermentelos é um rio, o Cértima, atacado de elefantíase no troço final do seu percurso. Engorda e espraia-se desmesuradamente, mas a água que transporta, e que depois entrega ao Águeda e ao Vouga, nem por isso deixa de ser doce. Fosse a Pateira de água salgada, como é a Ria de Aveiro, a que a ligam os meandros do Vouga, e não teria sido quase sufocada pela proliferação dos jacintos-de-água. É que esta invasora temível tem um ponto vulnerável: não tolera a salinidade.

O jacinto-de-água (Eichhornia crassipes) é uma planta aquática flutuante, de 20 a 50 cm de altura, originária da bacia do Amazonas, mas presente hoje nas regiões tropicais, subtropicais e temperadas de todo o mundo. Reproduz-se a uma taxa avassaladora, tanto vegetativamente como por sementes, formando tapetes que revestem por completo rios, ribeiras, represas e lagos. As suas folhas rígidas, de pecíolos inchados (daí o epíteto crassipes), fazem de velas enfunadas, ajudando o vento a disseminar a planta.

Com início em Dezembro de 2006, e durante dois meses e meio, uma ceifeira-aquática laborou na Pateira de Fermentelos para remover os jacintos-de-água. A comparação entre o antes e o depois, em especial junto ao parque de lazer de Espinhel, não deixa dúvidas sobre a oportunidade e o mérito da intervenção: em vez dos hectares cobertos de jacintos-de-água, um espelho de água límpida estende-se agora até ao horizonte. Mas a planta não foi erradicada, e recomeça a acumular-se junto às margens. Sem uma limpeza periódica, assistiremos em poucos anos a uma reinfestação da Pateira.

Não fosse ele culpado de expansionismo desenfreado, e o jacinto-de-água até teria virtudes apreciáveis: as suas raízes funcionam como infantário para peixes, beneficiando igualmente as aves aquáticas que dessa fauna se alimentam; absorve substâncias poluentes, como o chumbo e o mercúrio; dado o seu grau de proliferação, é um excelente produtor de biomassa, a qual, após secagem, pode ser usada directamente como combustível ou convertida em gás, e é também útil como fertilizante.

3 comentários :

Gi disse...

No meu jardinzinho também já me apercebi que introduzimos plantas pela sua beleza e de repente, quando damos por isso, criámos monstros.

bettips disse...

Um enganador pecado ...são lindos como a madrasta da Branca-de-Neve!

Maria da Luz Borges disse...

Alem disso é muito bonito!
Luz