24.6.10

Fogo preso


Geum urbanum L. - frutos

     Sinais de fogo, os homens se despedem,
exaustos e tranquilos, destas cinzas frias.
E o vento que essas cinzas nos dispersa
não é de nós, mas é quem reacende
outros sinais ardendo na distância,
um breve instante, gestos e palavras,
ansiosas brasas que se apagam logo.


Jorge de Sena, Sinais de Fogo (Asa, 1995)

1 comentário :

Rafael Carvalho disse...

Fogo preso...
a analogia é perfeita!
Cumprimentos.