11.3.10

Chícharo-de-folhas-grandes


Lathyrus latifolius L.

A ervilha, o feijão e o tremoço são sementes suficientemente distintas, em formato e sabor, para a natureza lhes juntar uma média igualmente nutritiva: o chícharo (Lathyrus sativus L.). É um grão de paladar suave que combina bem, no capítulo gastronómico, com quase tudo, doce ou salgado. Já foi alimento de pobre, bicho e gente, quando estes se sustentavam das plantas de cultivo fácil - e o chícharo prefere, sem regatear, terrenos calcários, é muito resistente a secas e não precisa de amanho diário. Com tal estigma, passados os anos de guerra e de fome, foi arredado da mesa e da memória. Voltou aprimorado, virtuoso mas ainda barato, como ingrediente de um vasto manancial de receitas de gourmet e com honra de festival nas Terras de Sicó.

O chícharo (do latim ciceru; a palatalização inicial e no interior do vocábulo deve-se a influência moçárabe) é uma leguminosa anual, de origem desconhecida mas naturalizada na região mediterrânica e aqui tão bem adaptada que chega a ser infestante. Tem caules ligeiramente alados e folhas pinadas com dois folíolos de 3 a 9 cm. As flores são solitárias e nascem azuis no Verão, murchando brancas com delicada venação roxa.

A herbácea da foto, nativa do sul da Europa, é prima do chícharo mas é perene e tem uso ornamental. É uma trepadeira vigorosa com caules de asas largas (vêem-se no topo superior direito da primeira foto) onde alternam folhas pinadas, de dois folíolos oblongos e grandes (mais de 10 cm), que terminam com uma gavinha e são alindadas na base por uma estípula. A inflorescência axilar reúne, do Verão ao Outono, cerca de vinte flores de cinco sépalas e cinco pétalas acuminadas, desiguais, de cor rosa-aveludado: uma superior como uma vela à banda, duas laterais e uma quilha mosqueada de branco que protege 10 estames, o estilete e o ovário. A polinização está a cargo de abelhas; o fruto é uma vagem.

O nome génerico Lathyrus etiqueta cerca de 160 espécies da Europa, do oeste da Ásia, da África oriental e da América do Sul, cabendo ao nosso continente umas 50. Nestes tempos de regalias económicas, de uma saciedade que beira o fastio, a espécie que recebe mais atenção dos horticultores, por ser perfumada, é a ervilha-de-cheiro (L. odoratus L.), de que se conhecem numerosos cultivares de jardim, em quase todas as cores (excepto amarelo), alguns bicolores, sarapintados ou de pétalas onduladas como folhos de cetim.

Sem comentários :